Base de faces de logradouros do IBGE: como fazer o download

Você conhece a base de faces de logradouros do IBGE? É uma série de arquivos vetoriais digitais construídos em escala cadastral que mostram as extensões dos logradouros de todos os municípios brasileiros por face – isto é, para cada segmento de logradouro, normalmente há duas feições, uma para cada lado da via. Veja como fazer o download:

Você conhece a base de faces de logradouros do IBGE? É uma série de arquivos vetoriais digitais construídos em escala cadastral que mostram as extensões dos logradouros de todos os municípios brasileiros por face – isto é, para cada segmento de logradouro, normalmente há duas feições, uma para cada lado da via, conforme mostra a figura abaixo.

face-ibge1

Atualizada durante o Censo de 2010 e disponibilizada em 2016, ainda há muitos profissionais da área que não conhecem a base, que, embora atenda a todos os municípios brasileiros, é especialmente útil para uma grande quantidade de municípios no Brasil cujas prefeituras não contam com bases cartográficas digitais.

Os dados, no entanto, apresentam algumas limitações técnicas que o IBGE descreve em nota metodológica que acompanha a base.

Para fazer o download, você deve acessar o link

ftp://geoftp.ibge.gov.br/recortes_para_fins_estatisticos/malha_de_setores_censitarios/censo_2010/base_de_faces_de_logradouros

face-ibge2

Na pasta 1_Leia_me, há dois arquivos: um PDF contendo uma nota metodológica com observações importantes sobre a base, como as técnicas utilizadas na sua construção, as referências geodésicas e cartográficas e a estrutura dos arquivos, com a descrição de cada campo que você encontrará na tabela de atributos; e uma planilha em que você descobre o nome do arquivo que contém a sua área de interesse. Abra a planilha, procure pela sua área de interesse e copie o nome do arquivo.

face-ibge3

Voltando para o diretório acima, clicamos na sigla da UF que contém a área de interesse e buscamos pelo nome do arquivo que copiamos da planilha.

face-ibge4

Faça o download e descompacte o arquivo. Note que, além dos arquivos referentes às faces de logradouros, são disponibilizados também os setores e os subdistritos. A imagem abaixo se refere à base de face de logradouros do IBGE da cidade de João Pessoa, Paraíba.

face-ibge5

É isso. Faça bom uso.

Nós da Rede Urbana aproveitamos o ensejo para parabenizar os profissionais do IBGE, instituto que tanto contribui para a pesquisa no Brasil, pela construção e disponibilização da base.

 

 

Paradoxo de Braess: adicionar vias pode piorar o trânsito

A ideia de que construir mais ruas e avenidas para que os usuários de automóveis tenham mais opções de trajeto e espaços livres para os seus deslocamentos é uma boa solução para os problemas de congestionamento nas cidades é comumente aceita como verdade no senso popular. No entanto, alguém já demonstrou matematicamente em 1968 que abrir mais uma rua pode, sim, piorar engarrafamentos. Duvida? O paradoxo de Braess, formulado pelo matemático alemão Dietrich Braess, pode ser demonstrado da seguinte forma:

A ideia de que construir mais ruas e avenidas para que os usuários de automóveis tenham mais opções de trajeto e espaços livres para os seus deslocamentos é uma boa solução para os problemas de congestionamento nas cidades é comumente aceita como verdade no senso popular. No entanto, na prática, não é bem assim. Vários estudiosos já apontaram que essa é uma solução com prazo de validade curto, pois apenas alimenta o ciclo vicioso da (i)mobilidade urbana e novas ruas e avenidas, com o tempo, ficarão também saturadas e, de quebra, deixando via de regra maiores distâncias a serem percorridas. Além disso, alguém já demonstrou matematicamente em 1968 que abrir mais uma rua pode, sim, piorar engarrafamentos. Duvida? O paradoxo de Braess, formulado pelo matemático alemão Dietrich Braess, pode ser demonstrado da seguinte forma:

Continue Lendo “Paradoxo de Braess: adicionar vias pode piorar o trânsito”

Como conectar QGIS ao PostGIS

O PostGIS é um complemento gratuito para dados espaciais para o SGBD PostgreSQL. Ele é muito útil para armazenar dados geográficos e fazer consultas espaciais com diferentes níveis de complexidade. Nesta publicação explicamos como conectar o QGIS ao PostGIS, utilizando a release 3.4 Madeira.

O PostGIS é um complemento gratuito para dados espaciais para o SGBD PostgreSQL. Ele é muito útil para armazenar dados geográficos e fazer consultas espaciais com diferentes níveis de complexidade. Nesta publicação explicamos como conectar o QGIS ao PostGIS, utilizando a release 3.4 Madeira. Assumimos que você já tenha instalado o PostgreSQL e o PostGIS.

Continue Lendo “Como conectar QGIS ao PostGIS”

Representando itinerários de transporte coletivo com QGIS

Nesta postagem sugiro um estilo de representação de itinerário de transporte público, utilizando o QGIS 3.4 Madeira.

Continue Lendo “Representando itinerários de transporte coletivo com QGIS”

Hierarquia Funcional do Sistema Viário

Nesta postagem são explicadas as diferenças entre via local, via coletora, via arterial, via expressa e via de trânsito rápido.

Organizar o trânsito nas cidades é um desafio e tanto, sobretudo nos médios e grandes centros urbanos. Interesses diversos e muitas vezes conflitantes devem ser analisados e ponderados pelo órgão competente, que deve fazer intervenções visando sempre um sistema viário com fluidez e, principalmente, democrático e seguro. Em Ordenamento do trânsito eu mostrei alguns deles, como aquele entre pedestre – que quer fazer travessias com segurança – e motorista – que quer se deslocar com fluidez -, ou aquele entre proprietários de estabelecimentos, motoristas e passageiros de ônibus, quanto à localização dos pontos de ônibus e áreas para estacionamento na via e para operações de carga e descarga.

Continue Lendo “Hierarquia Funcional do Sistema Viário”

Qualidade do Transporte Público [Parte 3]

Voltando com a série de postagens sobre qualidade do transporte público, trago a terceira parte. Depois de uma breve introdução e de uma discussão sobre as características que afetam a qualidade, desta vez o assunto são os atributos da qualidade. Deveria ser a última parte, mas, para manter o tamanho médio das postagens até aqui, optei por dividir e estender esta série mais um pouco. A intenção continua sendo a divulgação científica, ou seja, procuro escrever de maneira que mesmo leitores não habituados com o assunto possam entender. Sugestões/críticas são sempre bem-vindas. Continue Lendo “Qualidade do Transporte Público [Parte 3]”

Qualidade do Transporte Público [Parte 2]

Passei um tempo focado na fase final da minha dissertação, mas encontrei um tempo para voltar com a série de postagens sobre qualidade do transporte público. A intenção desta segunda parte é discutir algumas características do serviço de transporte público que afetam a qualidade. Entender estas características é essencial para desmistificar noções equivocadas sobre o serviço que não raras vezes encontram-se enraizadas no senso comum. Vamos lá… Continue Lendo “Qualidade do Transporte Público [Parte 2]”

Qualidade do Transporte Público [Parte 1]

Hoje o blog inaugura uma série de postagens sobre qualidade do transporte público. A intenção é a de popularizar o tema, sendo escrito numa linguagem mais pessoal e para que seja acessível mesmo àqueles que não estão acostumados a ler sobre o assunto. Continue Lendo “Qualidade do Transporte Público [Parte 1]”